A carregar vídeos ...

Dióxido de carbono prolonga estação de crescimento 

@ Nature/Steve Asmus

A subida do nível de dióxido de carbono na atmosfera pode estar a prolongar a estação de crescimento das plantas herbáceas, segundo um estudo agora publicado na revista Nature.

Estudos anteriores já tinham documentado um prolongamento da estação de crescimento em muitas partes do mundo: nos Estados Unidos, o tempo entre a última geada de Primavera e o primeiro gelo de Outono aumentou perto de duas semanas desde 1900, e na Europa, um estudo de mais de 540 espécies vegetais revelou que, em média, eventos primaveris (como a floração) tinham começado mais cedo cerca de uma semana entre 1971 e 2000, enquanto a chegada do Outono tinha sido adiada cerca de quatro dias.

Estas alterações têm vindo a ser atribuídas à subida de temperatura mas o CO2 também desempenha um papel, diz a co-autora do estudo Heidi Steltzer, ecologista de ecossistemas na Faculdade Fort Lewis em Durango, Colorado.

Steltzer examinou as pradarias do Wyoming ao longo de cinco anos. Aqueceu alguns talhões experimentais, cada um com 8,5 metros quadrados, 1,5 °C acima da temperatura normal diurna e 3 °C acima do normal à noite. Outros talhões foram expostos a níveis de CO2 uma vez e meia acima do normal e um último grupo foi sujeito a aquecimento e a níveis elevados de CO2, condições semelhantes às que são esperadas para 2100 de acordo com alguns cenários climáticos delineados pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC).

Ela e a sua equipa monitorizaram o surgimento de folhas e flores em seis espécies vulgares de plantas herbáceas e arbustivas, bem como o amadurecimento das sementes e o amarelecimento das folhas. 

Os resultados variaram drasticamente de espécie para espécie e de ano para ano mas, em média, a estação de crescimento era 6,2 dias mais longa nos talhões aquecidos e 14,2 dias mais longa nos talhões simultaneamente aquecidos e expostos a níveis superiores de CO2.

Os cientistas já tinham observado que o aumento de CO2 pode estimular o crescimento vegetal, pelo menos temporariamente, até que a falta de outros nutrientes, como o azoto, comece a limitar o crescimento. Mas este é o primeiro estudo que estima o efeito do aumento do CO2 na duração da estação de crescimento: “Ninguém o tinha quantificado até agora, porque é difícil de fazer", diz Steltzer.

À medida que o nível de CO2 aumenta, os estomas fecham, impedindo a perda de água. “Quando se está em presença de uma zona com limitações de água, como o Wyoming, o início da estação de crescimento é definido pelo aquecimento mas o seu fim geralmente é determinado pela falta de água", explica Steven Running, ecologista na Universidade do Montana em Missoula. Os níveis elevados de CO2 ajudam a conservar água e prolongam o crescimento ao longo da estação, pelo que Running espera que os resultados se apliquem a qualquer zona com limitações de água, incluindo a maioria das pradarias e savanas e até muitas florestas.

Richard Norby, ecologista de ecossistemas no Laboratório Nacional de Oak Ridge no Tennessee, considera que a dimensão do efeito de prolongamento da estação foi especialmente dramático para algumas espécies mas considera que nem todas as localizações revelarão o mesmo efeito. O seu próprio trabalho em florestas no Tennessee não revelou efeito de prolongamento da estação por parte dos níveis elevados de CO2.

Mas os resultados do Wyoming não são necessariamente só boas notícias para a agricultura. Níveis elevados de CO2 podem levar a que a floração fique dessincronizada com o ciclo de vida dos polinizadores ou torne algumas ervas daninhas mais prevalentes, diz Norby.

“Eles viram efeitos muito diferentes entre espécies, logo vão existir certamente vencedores e vencidos", diz Running, que prevê que as alterações climáticas alterem radicalmente a composição específica das pradarias. A resposta variada entre as espécies, salienta ele, também vai complicar a tarefa de modelar os efeitos do clima sobre as plantas, bem como a forma como, por sua vez, as plantas afectarão o clima.

 

 

Ajude ligando o 760 450 044 Custo da Chamada € 0,60 + IVA

 

 

"Em última análise, conservaremos apenas o que amamos. Amaremos apenas o que compreendermos e compreenderemos apenas o que nos ensinarem."       

~~ Baba Dioum, 1968                

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

Partilhar este site

páginas optimizadas para visualização com I.E. 8 ou superior e resolução 1024x 768 ou superior

@ 2001-14 Todo o conteúdo da rede simbiotica.org é protegido por uma Licença Creative Commons. Licença Creative Commons